Ordem dos Cartuxos

A vocação das monjas cartuxas

A cela é o universo duma monja

Refeição, sono, trabalho, leitura, oração são o quadro habitual da irmã. Oração solitária, trabalho solitário…

Mas as horas não parecem intermináveis, os dias monótonos?

Sê-lo-iam se a monja só consigo mesma.

Ela nao está si.

Ela ama.

Ama um Deus escondido, certamente, mas cuja presença assegurada a preenche de alegria.

Trabalho, refeição ou repouso, todas estas realidades que fazem a vida dos homens, a cartuxa tem-nas em tão grande estima que ela faz participar nisso o próprio Deus.

É com Ele que ela as vive, com Ele só.

Com ele, no silêncio da sua cela.

Com ele, no silêncio do seu coração.

O silêncio de Marie em Nazaré… Ninguém poderá sondá-lo.

É fonte inesgotável de luz e de força para a monja contemplativa.

Ajuda-o a procurar Deus escondido no diário.

No cotidiano?

Ao longo dos dias, apenas nada: uma costura a fazer, um livro a abrir, uma refeição a tomar.

Nada.

Deus lá está.

Rien non plus dans l'atelier de Nazareth, que des planches et des copeaux.

Dieu était là.

Deus feto homem aplainava com toda a força dos seus braços. Toda a sua atenção era dada à tábua, à plaina… e o cliente ficava contente, e seu pai José, e seu Pai do céu.

Ainda que Deus pareça ausente e o peso do dia fatiga por si mesmo, a costura lá está, à espera de ser feita, o livro lá está, à espera de ser aberto, a refeição lá está, à espera de serem tomada.

Cristo espera, também Ele.

A cartuxa crê-o com todas as suas forças,

ela põe toda a sua atenção na costura, no livro, na refeição.

Deus dir-lhe -á que assim faz a sua alegria?

Ele lho diz, mas num tal silêncio, que frequentemente ela não pode ouvi-lo.

Ela sabe-o pela fé, como Maria.

Toda a monotonia do deserto, sem o seu vasto horizonte.

E no entanto…

O universo está presente na cela de uma cartuxa

Sem que a televisão seja necessária, o silêncio da sua cela capta todos os apelos do mundo.

O silêncio do seu coração está à escuta de Cristo, de Cristo no seu Evangelho, mas também de Cristo em todos os seus irmãos.

Quando Jésus estava em oração no deserto ou sobre a montanha, entregava-se totalmente ao amor de seu Pai, no Espírito, totalmente entregue ao amor de todos os homens.

A monja cartuxa continua, atualiza a oração de Jesus no deserto.

Nele, ela sofre todos os sofrimentos.

Nele, ela se compromete com todos os combates pela justiça.

Nele, reanima e faz brotar as sementes de ressurreição depositadas no universo.

Sofrimento e alegria de Cristo, do Cristo total, súplica e louvor.

Toda aberta ao Espírito que ela possa possuir, quem dará à monja a segurança de não se extraviar no deserto? Que nuvem a guiará?

© 1998-2020 Ordem dos Cartuxos • Informações legaisContato