Ordem dos Cartuxos

Comentário das cartas

Estas duas cartas são as únicas que conservamos e datam dos últimos anos de Bruno quando desfrutava da solidão em Calábria.

A carta a Raúl Lhe Verd está datada entre 1096 e 1101 -sempre com certa aproximação- e a carta a Chartreuse entre 1099 e 1100

Em ambas podemos observar que se expressa livremente, com toda nitidez. Com Raúl usará um estilo mais literário, mais polido, um tanto convencional e erudito; com seus irmãos de Chartreuse falará com toda singeleza, numa linguagem cordial e direta. Mas as duas são de uma sinceridade e uma abertura de alma comovedoras. Descobrem-nos numa luz discreta, tamisada, mas maravilhosa, a alma profunda de Bruno ao final de sua vida, e quase ao termo de sua experiência da vida puramente contemplativa.

Como já mencionamos anteriormente, Raúl era um dos dois amigos com quem Bruno, no jardim de Adam, tinha feito voto de abandonar o mundo e abraçar a vida monástica.

Os anos tinham passado. Bruno tinha cumprido seu voto, e Raúl tinha voltado a Remos e vivia ali. A amizade entre Bruno e Raúl não se esfriou. Segundo nos diz o mesmo Bruno, Raúl lhe tinha escrito cartas encantadoras dando-lhe delicadas mostras de amizade.

Sua amizade está enraizada em Deus. Por isso se inquieta pelo futuro espiritual de seu amigo. Raúl tinha feito anos atrás um voto preciso, formal, e não o tinha cumprido. Não estava em regra com Deus. Neste suposto, Bruno expõe a Raúl a gravidade de sua situação, com energia e às vezes quiçá com rudeza, mas sempre com muito tato.

É de notar, que a trama desta carta a constitui o amor de Deus. Só o amor de Deus explica e justifica, por assim dizer, a vida contemplativa. Mas não um amor de Deus vivido de modo vulgar, senão um amor de Deus fervoroso, abrasador. Um amor excepcional como o que em outro tempo infundiu o Espírito Santo no coração dos três amigos reunidos no jardim de Adam.

Ao conjurar a seu amigo, tem o convencimento de não ser mais que o intérprete do Espírito Santo que fala a Raúl em seu interior. Aqui se funda a essência, a atitude fundamental desta vocação contemplativa. O contemplativo, segundo São Bruno, é aquele que vive a visão cara a cara da eternidade, ao menos como prelúdio e esperança. Espera e posse atual, desejo e gozo, luta e recompensa, deserto e ao mesmo tempo jardim, tal é a vocação puramente contemplativa segundo ele.

Chegamos a uma idéia fundamental para Bruno: a idéia de "quietude", de repouso ou sossego. Idéia central na concepção cartusiana da vida contemplativa. Este repouso é-lhe fruto da fé, a esperança e o amor, incluindo uma boa dose de prudência, equilíbrio, bondade, paciência, virgindade espiritual. "Quietude" será o epíteto privilegiado para qualificar "o porto da vida monástica", tanto na carta a Raúl Lhe Verd, como na escrita à comunidade de Chartreuse.

Este repouso não é conforto, segurança, imobilidade, passividade. É um repouso ativo, dinâmico, antecipação do repouso divino que a contemplação de Deus dará à alma na eternidade.

É indubitável que, em sua carta a Raúl Lhe Verd, Bruno conseguiu animar tudo o que diz com o fervor de seu amor a Deus, de sua alegria espiritual e de sua amizade a Raúl. Todo seu coração se insere em suas palavras; quanto diz, pensa-o, sente-o e o vive.

Nesta carta a Raúl, se destaca um fato central: a exortação a seguir a vocação monástica, com os motivos então alegados, as dificuldades possíveis e os sentimentos que surgiam aos que tratavam de retirar-se ao deserto.

Bruno, desejoso de comover o coração de seu velho amigo, deixa a palavra a seu próprio coração. A carta está escrita sob a perspectiva de uma sutil alternância entre a evocação das inexoráveis exigências da justiça do Todo-poderoso, e a descrição de quanto de sedutor encerra uma vida por inteiro consagrada a Deus.

Quando toca este segundo tema, é evidente que não faz retórica. Em termos mal velados, diz que ele viveu o que continua vivendo no momento preciso em que escreve.

Depois de uma leitura atenciosa da carta a Raúl, como a seus irmãos de Chartreuse, a primeira impressão que se tem é de achar-se ante uma alma ardente, transbordando sensibilidade espiritual.

A carta a Raúl, em seu conjunto, apresenta Bruno animado de um carinho inesgotável para o amigo dos velhos tempos, apesar dos anos e da distância. Mas quando começa a falar das coisas de Deus, não lhe é possível conter sua emoção.

No entanto, não é um sentimental que se deixa levar por impressões superficiais. Bruno é um homem prático. Para ele a vida contemplativa não consiste em fomentar intermináveis idéias sublimes; trata-se de tomar os meios eficazes para chegar até Deus. É muito consciente que sua solidão é o lugar onde "se vive um lazer ativo, repousa-se numa sossegada atividade". A carta a Raúl está por inteiro construída de acordo com esse esquema de seu pensamento.

Bruno ficou definitivamente seduzido pela Beleza, pela Bondade incriada, que encontra a plenitude da paz, e não pode compreender a situação de desgarramento interior de seu amigo.

* * * * * * *

Por uma sorte felicíssima, chegou-nos até nós outra carta de São Bruno, dirigida à comunidade de Chartreuse. Carta preciosa em si mesma e muito conforme com a escrita a Raúl Lhe Verd.

Por acréscimo, as circunstâncias em que foi escrita e transmitida lhe dão uma comovedora significação. Não é sem razão que os primeiros cartuxos a considerassem como o último testamento de Bruno a seus filhos de Chartreuse e, ao mesmo tempo, como o supremo depoimento, selado pela morte de Landuino, da vinculação da Grande Cartuxa a Bruno.

Landuino partiu levando consigo uma carta de Bruno para a comunidade de Chartreuse. Mas aconteceu que, ao viajar para o norte da Itália, Landuino caiu em mãos dos seguidores do anti-papa. Foi ameaçado, tiveram-lhe vários meses prisioneiro... Quando foi posto em liberdade, estava tão debilitado que não pôde seguir seu caminho. Refugiou-se no mosteiro próximo de Santo Andrés onde morreu a 14 de setembro de 1100, sete dias depois de sua libertação.

Apesar de tudo, a carta de Bruno a seus filhos de Chartreuse chegou a seu destino, já porque um dos colegas de viagem de Landuino escapasse dos apoiadores do anti-papa Guiberto, já porque Landuino a confiasse a algum mensageiro antes de morrer.

Podemos imaginar com que veneração receberam os ermitões de Chartreuse esta mensagem, tão preciosa para eles por duplo motivo.

Nesta carta à comunidade de Chartreuse, mais breve, mais familiar e menos cuidada do que a escrita a Raúl Lhe Verd, os temas se reduzem com freqüência a pequenas indicações, pelo que há que estar tanto mais atencioso para captá-las. É essencialmente uma carta de alegria, de louvor ao Senhor, de ação de graças.

Bastaria a breve carta a seus irmãos de Chartreuse, para transmitir-nos todo o ensino explícito que devemos receber dele.

Esta carta faz campear ante nossos olhos a figura de um monge de rasgos vigorosos e de coração imenso. Apaixonado perdidamente de Deus e de seus irmãos, chega até a esquecer-se de si mesmo. Seu amor a Deus lhe remete a seus irmãos; o carinho para seus irmãos lhe faz descobrir neles um novo rosto do Senhor.

Sua vida contemplativa não fica encoberta pela presença viva e atenciosa de seus irmãos, em seu coração. Não se contenta em dizer que lhe basta amar a Deus e que nele ama a todos. Seus irmãos são seres concretos que ocupam um lugar em seu interior, sem turvar seu atendimento ao Altíssimo. Ao invés, eles lhe revelam o amor imenso que Deus tem ao solitário. Sua vida contemplativa se acha fundada sobre a harmonia, interior e exterior, entre solidão e vida fraterna.

Uma segunda parte da mesma carta, põe de manifesto uma convicção firmemente ancorada no coração de Bruno: a vida que plantou no íntimo de seus irmãos associa de maneira radical o dom puramente gratuito que Deus lhes concede de uma vida que destaca por sua paz, silêncio e obediência, com uma observância forçosamente austera, firme, perseverante e estável frente a todas as seduções do exterior.

Bruno não pede nada mais a seus discípulos. O resto é questão de vocação pessoal, que deverá desenvolver-se dentro do sólido e amplo marco por ele esboçado.

Penetrar na ditosa solidão de que fala Bruno equivale a uma conversão do coração que recebemos gratuitamente de Deus, e que nos estabelece na paz de seu amor.

© 1998-2020 Ordem dos Cartuxos • Informações legaisContato